Produtores de Conceição do Araguaia recebem orientações sobre agrotóxicos

Na última edição do serviço de retirada itinerante da região, em agosto, a Adepará garantiu a destino adequado a 11 mil embalagens vazias de defensivos
Na hora da compra do produto agrotóxico, o produtor já deve se informar sobre todos os procedimentos de segurança e sobre a devolução dos resíduos. (Foto: Ascom Adepará)

A Feira do Produtor Rural, em Conceição do Araguaia, sul do Pará, foi um momento de aprendizado para produtores sobre o uso correto e seguro de defensivos agrícolas. Isso vai desde a compra até a devolução das embalagens vazias. Parte da programação de orientação foi da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará).

Durante a última edição do serviço de retirada itinerante naquela região, no mês de agosto, a Adepará garantiu a destino adequado a 11 mil embalagens vazias de agrotóxico. Dar o destino adequado a elas é essencial para a preservação ambiental.

O trabalho de coleta itinerante é fruto da parceria entre a Adepará, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Pará (Crea), a Associação do Comércio de Insumos Agropecuários de Marabá e Região (Aciamar), o Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (InpEV) e revendas agropecuárias locais.

ABACAXI

Além das orientações sobre os agrotóxicos, os produtores rurais receberam informações atualizadas acerca da implantação da Guia de Trânsito Vegetal (GTV) do abacaxi, documento que deve acompanhar as cargas de vegetais dentro do Estado. A Guia é emitida pela Adepará com base nas informações de cadastro de produtores. Ela identifica a origem, rota, quantidade do produto, finalidade e seu destino.

A rastreabilidade de frutos e vegetais frescos está normatizada pela Instrução Normativa Conjunta Nº 02 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Avisa). Todas as unidades produtivas devem ser cadastradas na Adepará.

O cadastramento é gratuito e deve ser feito nos escritórios da Agência. Para se cadastrar, o produtor deve apresentar os seguintes documentos: carteira de identidade, CPF, comprovante de residência e Cadastro Ambiental Rural (CAR) ou documento da terra (recibo de compra e venda ou contrato de arrendamento).

UNIÃO


O trabalho de educação sanitária foi realizado na manhã do último domingo (4). Ele integrou uma ação conjunta promovida pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que contou com a participação de representantes da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) e Banco do Brasil.

(Fonte: Agência Pará, com edição da Redação Fato Regional)

Compartilhar essa matéria

Veja também

fechar
%d blogueiros gostam disto: