Fundador de associação usada para desviar dinheiro público do Estado é preso pela Polícia Civil

Denominada "Alvorecer da Esperança”, a entidade usava uma igreja de fachada como sede e chegou a arrecadar cerca de R$ 500 mil em editais do Governo por serviços nunca executados
Crédito: Talison Lima / PCPA

A Polícia Civil prendeu na quarta-feira, 7, um homem acusado de desviar recursos públicos. De acordo com as investigações, o acusado criou, em 2011, uma associação denominada “Alvorecer da Esperança”, que seria um projeto educativo para ensinar moradores de uma ilha o potencial da colheita de açaí na região, o que nunca saiu do papel. O acusado já prestou depoimento e foi colocado à disposição da Justiça.

Na época, a entidade recebeu o valor inicial de R$ 20 mil, por meio de convênio com a Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel). A Polícia Civil constatou ainda que uma igreja foi utilizada como sede da Associação, mas apenas como fachada.

De acordo com o diretor da Divisão de Combate à Corrupção de Recursos Públicos, delegado Vicente Leite, o crime foi comunicado à Polícia Civil em 2018, após constatação que nenhuma das iniciativas apresentadas pelo acusado foi executada. “Constatamos que o preso era o tesoureiro da quadrilha. Ele recebeu todo o dinheiro no caixa de uma agência bancária da capital. Ao constatar tal fato, representamos pela prisão preventiva dos suspeitos. Nós ainda estamos em diligência para prender os demais envolvidos, visto que já foram identificados”, informou o delegado. Delegado Vicente Leite, diretor da Divisão de Combate à Corrupção de Recursos Públicos.

Repasses

Após a quebra do sigilo bancário e fiscal, foi constatado que a entidade recebeu outros repasses de recursos da administração pública, por meio de convênios com secretarias de Estado que não foram executados. O montante chega a R$ 500 mil. O crime ocorreu na gestão anterior, e segundo o inquérito policial não há envolvimento de funcionários públicos.

De acordo com o ordenamento jurídico, o crime de estelionato majorado, praticado na modalidade continuada, e os delitos de lavagem de dinheiro e associação criminosa, somam uma pena mínima de 15 anos. As investigações continuam, a fim de prender os demais integrantes da quadrilha.


O acusado foi encaminhado à Sede da Diretoria Estadual de Combate à Corrupção, onde foi interrogado. Após o procedimento de exame de corpo de delito, ele foi transferido para o sistema penitenciário, onde está à disposição da Justiça.

 

Fonte: Agência Pará

Compartilhar essa matéria

Veja também

fechar
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.
%d blogueiros gostam disto: