Indígenas Kayapó criam cooperativa para exploração de suas riquezas naturais

A cooperativa irá realizar convênios com entidades publicas e privadas beneficiando diretamente os associados.

Os indígenas da etnia kayapó criaram a Cooperativa Indígena de Extração, Produção, Comercialização, Agroindustrial, Florestal, Mineral de Recursos Hídricos e de Crédito de Carbono Kayapó. O ato de criação da Cooperativa ocorreu na Câmara de Vereadores de Tucumã, no sul do Pará.

Segundo a ata de fundação, a cooperativa, além da industrialização da castanha do Pará, irá também manter a tradição no que diz respeito a sustentabilidade da floresta e das reservas naturais. A sessão foi presidida pro Mizael Pereira que foi um dos articuladores para a criação da Cooperativa.

O indígena da aldeia Gorotire do município de Cumaru do Norte, Kokokai Kayapó foi eleito presidente da entidade

A cooperativa irá realizar convênios com entidades publicas e privadas beneficiando diretamente os associados. Ainda segundo o documento a Cooperativa será um instrumento de suma importância para a etnia Kayapó, para a obtenção de sua independência econômica e de sua sustentabilidade.

O indígena da aldeia Gorotire do município de Cumaru do Norte, Kokokai Kayapó foi eleito presidente da entidade. Para ele esta presidência é uma grande responsabilidade.

A Cooperativa será um instrumento de suma importância para a etnia Kayapó, para a obtenção de sua independência econômica e de sua sustentabilidade.

 

“O momento é de erguer a cabeça e dar andamento nesta cooperativa que é muito importante para nós da etnia Kayapó. No momento estamos focados na exploração da castanha do Pará, do açaí, produtos que fazem parte de nossa floresta amazônica”, comentou Kokokai

Para o cacique Wanga Kayapó, presidente da Associação dos Povos Indígenas da Região, a cooperativa irá propiciar preços justos aos produtos e levar benefícios ao povo Kayapó. “Para o nosso povo esta cooperativa é muito importante para gerar renda e trazer benefícios para nós através de nossas riquezas naturais”, ressaltou.

O advogado Welson Kleber que forneceu assessoria jurídica para a criação da cooperativa explica que ela nasce com o objetivo de trazer legalidade e benefícios para os Kayapó. “ As reservas contam com uma diversidade enorme de produtos e uma cooperativa em parceria com o Ministério Público Federal e Fundação Nacional do índio (Funai) trará legalidade para que os indígenas tenham acesso a esta riqueza”, destacou

O empresário paulista João Jesse está intermediando a criação da cooperativa e a industrialização de matérias primas em terras indígenas kayapó. Ele falou da satisfação em poder contribuir para a criação da Cooperativa.

O empresário paulista João Jesse está intermediando a criação da cooperativa.

“Aqui ao lado de Tucumã estão as maiores reservas e também as maiores riquezas. Os índios são nossos irmãos e vivem impedidos de explorar suas riquezas naturais. Esta é uma oportunidade para juntos gerarmos desenvolvimento, renda e educação para seus filhos”, destacou o empresário.

 

Da Redação Fato Regional

Compartilhar essa matéria

Veja também

fechar