segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

Lula indica Flávio Dino, ministro mais visado e atacado do governo, para vaga no STF

A indicação é cercada de críticas, ainda que o atual ministro da Justiça e Segurança Pública seja um dos nomes mais populares do governo. Se aprovado, Dino pode deixar para trás os embates diretos com parlamentares de oposição e crises de violência no país.
O ministro Flávio Dino é alvo de mais um ataque da oposição ao Governo Lula, que pede o impeachment dele pela presença de uma mulher ligada ao Comando Vermelho do Amazonas na sede do Ministério da Justiça, numa agenda oficial (Foto: Valter Campanato / Agência Brasil / Arquivo)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) indicou, formalmente, Flávio Dino para a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal (STF). O atual ministro da Justiça e Segurança Pública é um dos mais populares do governo, devido ao perfil que mistura momentos descontraídos e sérios, com um tom que varia do debochado ao professoral. Porém, a indicação desagrada parte da base aliada de Lula, assim como gera críticas em meio à oposição.

Dino é também um dos ministros mais visados de Lula pela oposição no Congresso Nacional. Frequentemente é convocado por deputados e senadores para algum tipo de questionamento, em audiências que tentam associar a ele e ao PT a organizações criminosas ou incompetência. Recentemente, ele recebeu um golpe devido a uma matéria do jornal O Estado de São Paulo em que divulgava que a esposa de um líder do Comando Vermelho do Amazonas visitou o ministério. Ele não se encontrou com a mulher.

Lula também indicou Paulo Gonet para comandar a Procuradoria-Geral da República (PGR), atendendo aos ministros Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que apoiam a indicação. Mais uma escolha que desagradou a base aliada por conta do perfil mais conservador de Gonet. Já para o STF, a base aliada pedia a indicação de uma mulher negra.

Antes de se formalizado como ministro, Dino precisa passar por sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Membros da CCJ vão preparar um parecer que será apreciada no plenário. A aprovação do nome só ocorre se for consentida por 41 dos 81 senadores. Além de Dino, são cotados o advogado-geral da União, Jorge Messias, e o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas.

(Victor Furtado, da Redação do Fato Regional)


LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:

Siga o Fato Regional no Facebook e no Instagram!