Michel Pereira espera renovação do UFC e próximo adversário

Michel Demolidor celebra vitória sobre Danny Roberts no UFC Fight Night, em maio de 2019. Foto: Michael Owens/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

Natural de Tucumã, o paraense Michel Pereira chama a atenção do mundo do MMA pelo estilo de luta. Espetacular, com maneirismos de um verdadeiro showman, ele gosta de brincar e tem um estilo acrobático dentro do octógono. Há quase duas semanas, ele venceu o russo Zelim Imadaev, pelo UFC Vegas 9, numa atuação dominante. Mas aquela foi a última luta sob contrato com a maior organização de MMA do mundo. Agora, ele está em negociação para um novo vínculo.

A possibilidade de renovação de contrato é dada como certa. Michel é um dos mais performáticos do UFC, com garantia de show em suas lutas. Ele dá como uma certeza a assinatura de um novo contrato, tanto que já fala em um novo combate para o mês de novembro, ainda sem adversário definido.

“Estou com muita vontade de lutar contra o Jorge Masvidal. Seria um grande combate e os fãs iriam gostar. Mas ainda não o sei como o UFC vai analisar isso. Pode ser também o Anthony Pettis ou o Nate Diaz”. A seguir, Michel fala de sua carreira, seu estilo, de como as pessoas o encaram e da vontade de sempre dar show.

O teu estilo de luta chama a atenção de todos por ser muito espetacular, quase um show. Esse teu jeito extrovertido já trouxe algum problema com relação a algum adversário ou críticas de outros lutadores?

Meu estilo é diferente e fui muito criticado no começo, falavam muito mal. Isso até eu provar que era possível aliar competitividade com esse jeito. Hoje é um sucesso no mundo todo. Hoje todos curtem meu estilo, até os demais lutadores. É algo diferente, que dá vontade de assistir.

Reprodução

Como é a relação com os lutadores mais jovens e a garotada que te assiste na TV?

Espero que esteja sendo uma boa referência, seja para os jovens que estão começando até os jovens que gostam de assistir e se divertir com um bom espetáculo.

Como foi o teu começo nas artes marciais e como chegaste ao MMA?

Comecei no caratê aos 14 anos de idade, com meu tio. Depois fui para o jiu-jitsu e fui migrando para outros estilos. Treinei boxe com o Ulysses Pereira, muay-thai, até me tornar lutador profissional. Não pensava em MMA no começo, queria saber só de caratê. A vida me levou ao MMA. Fiz umas lutas nas academias, mais por exercício. A cada luta via que precisava saber de outros estilos e isso me levou às competições.

Como você se vê nesse contexto do UFC, que é uma grande empresa que visa o esporte de alto rendimento e o espetáculo?

Sou um contratado pelo UFC e tenho certeza que eles querem ver show, uma luta boa de se ver. Eu prezo muito pelos meus fãs e pelo o que eles querem ver. Me sinto na obrigação de fazer uma bela luta e dar espetáculo. Aqui para mim é um show para divertir as pessoas. Penso nisso mais até que nos resultados, isso é consequência do trabalho do dia a dia. Me vejo como um cantor, um ator sobre o palco.

Muitos lutadores promovem suas lutas com bravatas e provocações, você não é de falar nesse sentido. Por quê?

Não sou dessa praia. Sou mais de dar o show no octógono. Nem sou tanto de falar. Gosto de mostrar o que posso fazer. O Conor McGregor tem aquele jeito de promover as lutas e é muito bom nisso, funciona. Gosto do jeito dele, sim, mas não é meu perfil.

M. Pereira sofre primeira derrota no UFC. Foto: Reprodução/Instagram @ufc_brasil

A sua vitória no começo do mês foi a última de seu contrato com o UFC. Como está a negociação para a renovação de contrato?

Sim, já começamos a conversar, eles gostam do meu estilo e as negociações do novo contrato estão bem adiantadas, tanto que devo ter uma luta já em novembro contra um adversário que também é um showman. Vai ser uma luta de tirar o chapéu.

O que o levou a mudar-se de Belém para Las Vegas, no Estados Unidos?

Moro em Las Vegas, mas em Belém sempre tive do melhor em material humano para meus treinos. Mas por enquanto moro aqui. A cidade é muito boa, infelizmente não sou de jogo e não dá para aproveitar os cassinos. Minha diversão é viajar pelas cidades próximas daqui. Estou aqui para ficar mais próximo do UFC e estar sempre à disposição.

M. Pereira (dir.) derrotou Z. Imadaev (esq.) no UFC Las Vegas 9. Foto: Reprodução/Facebook @ufc

 

Fonte: Tylon Maués , DOL

Compartilhar essa matéria

Veja também

fechar
%d blogueiros gostam disto: