domingo, 14 de julho de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

Operação da PF cumpre mandados em Tucumã e São Félix do Xingu; 41 pessoas são investigadas por tráfico internacional de drogas

A segunda fase da operação 'Flak' investiga suspeitos do Pará, do Tocantins e de Goiás, que supostamente usam fazendas e empresas de fachada no esquema investigado
Através de esquemas de câmbio ilegal, a suposta organização criminosa investigada pela PF faria a lavagem de dinheiro com a abertura de empresas de fachada e registro em nome de laranjas (Foto: Polícia Federal)

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta-feira (27), a segunda fase da operação “Flak”, que investiga um suposto esquema de tráfico internacional de drogas. Estão sendo investigadas 41 pessoas do Pará — com mandados de busca e apreensão em Tucumã e São Félix do Xingu, no sul do estado —, de Goiás e do Tocantins. A organização criminosa, informa a PF, é especializada em ações de logística do tráfico internacional de drogas, mediante transporte pelo modal aéreo.

Ao todo, são 31 mandados de busca e apreensão sendo cumpridos. Há também medidas de sequestro de bens como aeronaves, veículos de luxo, apartamentos, casas e nove fazendas, além de boqueio das contas bancárias de 41 pessoas envolvidas com os fatos sob investigação. As ordens judiciais foram expedidas pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado do Tocantins.

“Conforme apurado, a organização criminosa investigada é dedicada ao transporte internacional de drogas a partir dos países produtores, como Venezuela, Bolívia, Colômbia e Peru, até países de passagem ou destinatários finais, especialmente, o Brasil, Honduras, Suriname, América do Norte, África e Europa. Para executar as suas atividades ilegais, o grupo adquiria aeronaves e as registrava fraudulentamente em nome de “laranjas”, controlava aeroportos clandestinos e contava com pilotos entre seus membros”, informou a PF por nota.

31 mandados de busca e apreensão e medidas de bloqueio de bens miram 41 pessoas investigadas na segunda etapa da operação, que cumpre mandados em Tucumã e São Félix do Xingu. (Foto: Polícia Federal)

 

Na segunda fase da operação Flak, a Polícia Federal identificou que a organização criminosa vinha utilizando uma estrutura de câmbio ilegal e movimentação financeira paralela, fora do sistema bancário formal, com lavagem de dinheiro, bens e ativos. A PF afirma que esse aparato, constituído por agências de câmbio e turismo situadas em Palmas (TO) e Goiânia (GO), era utilizado com os objetivos de proteger os valores oriundos do tráfico internacional de drogas e viabilizar a utilização desses recursos ilegais.

“De acordo com as provas e indícios obtidos durante a investigação, a organização criminosa também executava a lavagem de capitais mediante a utilização de postos de combustíveis localizados nas cidades de Tucumã e Aparecida de Goiânia, a constituição de ’empresas de fachada’ e o registro, em nome de laranjas’, de bens móveis e imóveis adquiridos com recursos obtidos com o narcotráfico. Os investigados poderão responder pelas práticas dos crimes de associação para a lavagem de dinheiro e lavagem de dinheiro, cujas penas máximas somadas, podem ultrapassar 20 anos de reclusão”, concluiu a nota da PF.

(Da Redação do Fato Regional)


LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:

Siga o Fato Regional no Facebook e no Instagram!