Pará registra casos de doença rara que atinge crianças e pode estar ligada à Covid-19

De acordo com o Ministério da Saúde (MS), SIMP já afetou mais de 70 crianças no Brasil. Entre os sintomas da doença estão pressão baixa, conjuntivite, manchas no corpo, diarreia, dor no abdômen, náuseas, vômitos e problemas respiratórios.
Pará registra casos de doença rara que atinge crianças e pode estar relacionada à Covid-19 — Foto: Tchélo Figueiredo

O Pará já registra 18 casos da Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIMP), doença que afeta crianças que tiveram contato com o novo coronavírus (Sars-CoV-2). De acordo com o Ministério da Saúde (MS), a doença é rara é já afetou mais de 70 crianças no Brasil.

Segundo o MS, a doença ocorre exclusivamente em crianças, na faixa etária de 7 meses a 16 anos. Pacientes diagnosticados com a doença apresentam pressão baixa, conjuntivite, manchas no corpo, diarreia, dor no abdômen, náuseas, vômitos e problemas respiratórios, sintomas comuns também à Covid-19. Ainda de acordo com o MS, grande parte dos pacientes apresentavam infecção pelo novo coronavírus ou tiveram Covid-19 anteriormente.

No entanto, o ministério afirma que ainda não há evidências concretas de que a Covid-19 cause a SIMP. Por conta disso, o Instituto Evandro Chagas (IEC) iniciou um estudo para avaliar a relação entre as doenças em crianças. Os pesquisadores avaliam 11 crianças com idades entre 7 meses e 11 anos.

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) disse, em nota, que emitiu um alerta epidemiológico para os municípios e hospitais, assim que foi comunicada sobre a possível relação da SIM-P como complicação da Covid-19 em pessoas de 0 a 19 anos.

A secretaria explica que instituiu Centro de Operações de Emergências da Saúde (COE) para monitorar os casos de SIM-P no estado, com representantes do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde do Pará (CIEVS), Vigilância Epidemiológicas, Diretoria de Políticas de Atenção Integral à Saúde (Dpais) e Instituto Evandro Chagas.

Ainda em nota, a Sespa afirmou que já elabora uma nota técnica sobre a doença e fará uma live para profissionais da saúde que atuam nos serviços de saúde dos municípios paraenses afim de prestar esclarecimentos sobre a doença. Até o momento, dois casos constam no sistema oficial de notificação do Ministério da Saúde quanto a síndrome no Pará, segundo a secretaria, e todos os casos suspeitos e confirmados estão sendo monitorados e investigados pela Vigilância Epidemiológica.

SIMP no Brasil

De acordo com o Ministério da Saúde, até julho foram notificados 71 casos, sendo 29 no Ceará, 22 no Rio de Janeiro, 18 no Pará e 2 no Piauí. Foram identificadas também três mortes no Rio de Janeiro. No mundo, até o momento foram relatados mais de 300 casos, em países como Espanha, França, Itália, Canadá e Estados Unidos.

Entidades em alerta

Sobre os Casos de SIMP no Brasil, o Ministério da Saúde informou que está monitorando a doença que atinge crianças e que ela pode estar relacionada à covid-19. O órgão emitiu alertas e disse estar em diálogo com as secretarias estaduais e municipais de Saúde.

Já a Sociedade Brasileira de Pediatria lançou uma nota de alerta com critérios para identificar os casos de SIM-P, entre os quais: paciente com febre persistente, marcadores laboratoriais de atividade inflamatória, com exclusão de outras causas infecciosas. A presença do coronavírus não seria obrigatória, sendo mais comum a presença de anticorpos.

A abordagem terapêutica, segundo a SBP, envolve o uso apropriado de EPI, terapia com antibióticos de acordo com os processos locais, coleta de exames complementares (como hemogramas com plaquetas, urina tipo 1 e eletrólito com bioquímica completa), painel viral respiratório, monitoração cardiorrespiratória precoce e monitoração também rigorosa dos casos de envolvimento miocárdico.

Fonte: G1 PA

Compartilhar essa matéria

Veja também

fechar
%d blogueiros gostam disto: