domingo, 3 de março de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

São Félix do Xingu: mutirão de serviços jurídicos, previdenciários, trabalhistas, eleitorais e documentação começa nesta segunda e segue até sexta (21/07)

Além dos serviço, haverá programação cultural e educativa, com oficinas, palestras e exibição do filme 'Pureza', com a atriz paraense Dira Paes
Vista aérea do município de São Félix do Xingu. (Foto: Wesley Costa / Fato Regional)

Começou, em São Félix do Xingu, no sul do Pará, um mutirão de serviços jurídicos e de cidadania. A programação iniciou nesta segunda-feira (17) e vai até o dia 21 de julho. O trabalho será do Poder Judiciário, através do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em parceria com o Governo do Estado e com a Prefeitura de São Félix do Xingu. Confira todos os serviços e programe-se!

A ação Justiça Itinerante Cooperativa na Amazônia Legal vai garantir acesso à Justiça e cidadania a amazônidas, com ênfase na área ambiental, na previdenciária e na trabalhista, na edição de 2023. Os atendimentos e demais programações estarão abertos ao público de segunda a sexta-feira, entre 8h e 18h, na Escola Estadual de Ensino Médio Carmina Gomes.

Quais serviços estarão disponíveis no mutirão em São Félix do Xingu?

Ao longo da semana, será possível obter a primeira via do Registro Geral (RG) e a segunda via do CPF e das Certidões de Nascimento, de Casamento ou Óbito. Entidades notariais e de registradores auxiliarão na emissão dos registros por meio do módulo Central de Informações do Registro Civil (CRC-Jud) da CRC Nacional.

Trabalho e emprego

Na área trabalhista, a população terá acesso a serviços de orientação, emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS digital), Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS), abono salarial e seguro-desemprego. Entidades sindicais também poderão ser atendidas no mutirão do trabalho.

Previdência social

Na área previdenciária, a Justiça Itinerante vai prestar serviços aos segurados especiais, como trabalhadores rurais e pescadores artesanais. Os trabalhadores rurais que tiveram seus benefícios negados pelo INSS poderão contestar judicialmente o resultado. Para isso, basta levar os documentos comprovando a negativa e o direito demandado.

Nas ações previdenciárias, os cidadãos e as cidadãs poderão levar reclamação para atermação – primeira escuta na Justiça que pode ser transformada na petição inicial de um processo –, o que será seguido de perícias e audiências de conciliação, instrução e julgamento. Por isso, é importante também levar exames médicos anteriores.

Benefícios e programas sociais

A Justiça também poderá decidir sobre a concessão de benefícios como aposentadoria rural, auxílio-doença, auxílio-maternidade e os Benefícios de Prestação Continuada (BPC) da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) para pessoas com deficiência e pessoas idosas. O Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA) vai dar orientações para regularização eleitoral.

Atendimentos médicos e odontológicos

As Forças Armadas vão levar serviços de saúde em geral, com assistência médica e odontológica à população. Reunindo todos os serviços, será um dos maiores esforços de serviços públicos sociais reunidos, ao longo de uma semana, em São Félix do Xingu.

Leia mais, no Fato Regional:

Outras programações do mutirão de serviços em São Félix do Xingu

Está prevista, ainda, a realização de oficinas relacionadas à cidadania, ao trabalho e à economia, que acontecem em diversos horários durante toda a semana. A Oficina de Economia Solidária foi criada com o objetivo de divulgar a política pública, debater aspectos voltados ao comércio justo, comercialização e acesso ao crédito. A Oficina de Trabalho busca difundir o trabalho decente.

Haverá a exibição do filme Pureza, do cineasta Renato Barbieri, baseado na história real de Pureza Lopes Loyola, uma mãe que lutou para livrar o filho de situação de trabalho escravo.

LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:


(Da Redação do Fato Regional, com informações do CNJ)

Nos siga no Facebook e no Instagram!