Servidores dos órgãos de segurança recebem capacitação para conduzir embarcações especiais de Estado

Objetivo é habilitar os profissionais para pilotar embarcações maiores nível 2, como as três lanchas blindadas entregues pela atual gestão ao Grupamento Fluvial
Foto: Ascom Segup

Nesta sexta-feira (29), 20 servidores das Forças de Segurança concluem o curso especial para condução de Embarcações de Estado em Serviço Público (ECSP), promovido pelo Grupamento Fluvial (GFlu), vinculado à Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) em parceria com a Marinha do Brasil através do Centro de Instrução Almirante Brás de Aguiar (CIABA). Essa foi a primeira turma capacitada no curso. A expectativa é de até final do ano cerca de 100 servidores receberam essa capacitação.

O curso ECSP qualifica o aluno para conduzir embarcações de Órgãos Públicos (Extra-MB) dentro dos limites da navegação interior até o limite de 3 milhas da costa, cerca de 4,8 km, considerada navegação restrita. O principal objetivo é habilitar servidores empregados na Segurança Pública para pilotar embarcações maiores nível 2, como as três lanchas blindadas entregues pela atual gestão ao Grupamento Fluvial.

Foto: Ascom Segup

Instrutor de navegação da parte prática, o sargento Marcelo Nunes, do CIABA, aponta que a qualificação dos profissionais da Segurança Pública soma de forma direta para que uma padronização de procedimentos seja cada vez mais promovida na navegação.

“É preciso habilitar as equipes para a navegação mais segura, seja para o transporte de material ou pessoal. São equipamentos caros as lanchas blindadas e até para a vida útil dessas embarcações é preciso um servidor qualificado para conduzir. Isso contribuiu não somente para a Segurança Pública, como também para a Marinha do Brasil, de forma indireta”, enfatiza.

Em duas semanas de instrução, os alunos receberam conhecimento teórico e prático sobre os temas: manobra de embarcações II, navegação, navegação eletrônica e comunicações, carta náutica, além de informações úteis sobre os equipamentos de sonar, radar e GPS.

Foto: Ascom Segup

Um dos alunos, cabo Diogo Veiga, há 9 anos na Companhia Independente de Polícia Fluvial (CIPFLU), da Polícia Militar, acredita que a qualificação soma em conhecimento para navegar de forma segura, além de relembrar alguns procedimentos.

“O curso nos deu a possibilidade de trabalhar com total segurança no meio aquaviário. Algo muito importante tanto para salvar vidas das pessoas que nós vamos atender, como as nossas próprias. Dentro das aulas ministradas, tivemos outra visão sobre a questão de planejamento prévio, seja para evitar ficar à deriva ou acidentes com as embarcações ou até mesmo com a população”, afirma.

Investimento

Participaram da primeira turma servidores do Corpo de Bombeiros, Polícia Civil e Polícia Militar da capital e de municípios que possuem atuação fluvial como Óbidos, Igarapé-Miri, Breves e Abaetetuba. Mais três turmas estão previstas até dezembro de 2022 e a expectativa é de formar 100 alunos até o final do ano.

Segundo o diretor do Grupamento Fluvial, delegado Arthur Braga, vários investimentos na segurança fluvial estão sendo feitos em municípios do Estado e as capacitações devem acompanhar o mesmo ritmo, aperfeiçoando a tropa para o serviço nos rios.

Foto: Ascom Segup


“O curso nível dois para pilotar embarcações maiores de oito metros e até 3 milhas da costa. Ao final, os servidores poderão pilotar embarcações bem maiores, robustas que são encontradas em apreensões e muitas vezes há alguns empecilhos para deslocamento para apresentação. É o primeiro curso dessa natureza e essa parceria com Ciaba é fundamental por nos dar esse conhecimento, primordial para a nossa atividade”, destaca.

 

 

 

 

 

Com informações da Agência Pará

Compartilhar essa matéria

Veja também

fechar