Torcedor do Paysandu acusado de matar remista vai a júri

Segundo o TJPA, a vítima foi morta por estar usando uma blusa do Remo

O réu Lucas Mateus Barbosa dos Santos, conhecido como “Tigrão”, vai a júri nesta quarta-feira (04), no Fórum Criminal de Belém, pela morte de Robson de Jesus Silva Santos, remista, assassinado no dia 30 de abril de 2017.

De acordo com informações do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), a responsabilidade criminal do torcedor bicolor é apurada nesta sessão, que está sob presidência do juiz Raimundo Moisés Alves Flexa. Oito pessoas estão presentes para depor. Edson Augusto Sousa é o promotor do caso.

Segundo informações do TJPA, Lucas teria matado Robson porque ele estava com uma blusa do Remo trabalhando no bar da família na passagem São Pedro, no bairro da Sacramenta.

O CRIME

O assassinato de Robson, que tinha 31 anos, aconteceu por volta das 21h do dia 30 de abril de 2017, quando a vítima estava trabalhando no bar de sua mãe, localizado na residência da família, no bairro da Sacramenta, em Belém. Ele estaria vestido com uma blusa do Remo, o que motivou a fúria de um torcedor do Paysandu. O réu chegou em uma moto, acompanhado de outra pessoa, e efetuou disparos de arma de fogo contra Robson, que ainda foi socorrido para o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), mas não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

O “Tigrão”, torcedor do Paysandu de 24 anos, seria o responsável por efetuar os tiros que mataram Robson. O outro ocupante da moto também chegou a ser denunciado, mas, ao final do processo, só Lucas foi pronunciado

PRONÚNCIA


A pronúncia é a uma decisão que não põe fim ao processo,  mas que determina que existem indícios de um crime doloso contra a vida e que o acusado pode ser o culpado e que, por se tratar de um crime doloso contra a vida, o processo será julgado por um tribunal do júri e não por um juiz sozinho. Dos denunciados no processo, apenas Lucas, o “Tigrão”, foi pronunciado.

 

Fonte: O Liberal

Compartilhar essa matéria

Veja também

fechar