terça-feira, 21 de maio de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

Ex-deputado Wlad volta à cadeia após o TRE do Pará revogar Habeas Corpus

Wlad havia sido preso pela Polícia Federal no dia 18 de abril e conseguiu o Habeas Corpus no dia 25. Ele é suspeito da prática de crimes eleitorais contra a deputada federal Renilce Nicodemos (MDB). Ele se apresentou à Polícia Federal na tarde desta terça-feira (14).
O ex-deputado federal Wlad Costa coleciona polêmicas e punições na carreira artística e política (Foto: Agência Câmara / Arquivo)

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE) revogou o Habeas Corpus do ex-deputado federal Wladimir Costa, o Wlad, nesta terça-feira (14). Com isso, ele deve voltar à prisão. Ele é acusado de crimes políticos contra a deputada federal Renilce Nicodemos (MDB-PA) e foi preso pela Polícia Federal, em Belém, no dia 18 de abril.

Após ficar sete dias preso, Wlad, como é mais conhecido o polêmico ex-deputado, teve um HC concedido no dia 25 de abril. Desde então, vinha tendo o comportamento monitorado. Já havia um outro mandado de prisão pendente e isso levou os magistrados do TRE do Pará a revogar a liberdade. O placar final no plenário ficou em 4 x 1 contra o HC.

Wlad tornou conhecido no estado pela carreira de comunicador e de artista, comandando a “Banda Wlad”. Já a trajetória política é marcada por polêmicas, com discursos performáticos, bravateiros e falastrões enquanto foi deputado até ter o mandato cassado pelo TRE do Pará em 2017 por abuso de poder econômico e gastos ilícitos na campanha eleitoral de 2014.

O ex-parlamentar chamou artistas como Wagner Moura, Glória Perez e Letícia Sabatella de “vagabundos”; chegou a tatuar o nome do ex-presidente Michel Temer (MDB); e atacou a jornalista Basília Rodrigues (da CNN Brasil). As ofensas citadas pelo TRE do Pará foram cometidas contra a deputada federal Renilce Nicodemos (MDB-PA), que teve a vida íntima exposta.

O Fato Regional respeita o princípio da presunção de inocência e sempre abre espaço para a defesa dos mencionados em casos policiais — se os advogados ou envolvidos acharem conveniente quaisquer manifestações —, garantindo amplo direito ao contraditório.

*ATUALIZAÇÃO ÀS 16h:

O ex-deputado, como confirmou a Polícia Federal, se apresentou espontaneamente para retornar à prisão na tarde desta terça-feira (14).

(Victor Furtado, da Redação do Fato Regional)


LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:

Siga o Fato Regional no Facebook e no Instagram!