sábado, 15 de junho de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

Hacker Walter Delgatti Neto é convocado para depor depor na CPI do 8 de Janeiro; veja quem serão os próximos

O hacker trabalhou com a deputada federal Carla Zambelli e teria sido questionado por ela e o ex-presidente Jair Bolsonaro sobre a possibilidade de invadir urnas eletrônicas e e-mails de ministros do STF
Walter Delgatti trabalhava com a deputada Carla Zambelli, apoiadora de Jair Bolsonaro, que supostamente teria intermediado o encontro ele e o ex-presidente Jair Bolsonaro (Foto: Redes Sociais)

Walter Delgatti Neto, o hacker que trabalhava com a deputada Carla Zambelli (PL-SP), é o próximo convocado a depor à Comissão Mista Parlamentar de Inquérito (CPMI) que apura os atos golpistas do dia 8 de janeiro. Delgatti foi preso nesta quarta-feira (2), na operação da Polícia Federal (PF) que investiga a suposta invasão de sistemas eletrônicos do judiciário.

A senadora Eliziane Gama (PSD-MA), relatora da CPMI, afirmou que esse depoimento é importante para “…esclarecer como a deputada Carla Zambelli atuou de modo a questionar a legitimidade do sistema eleitoral brasileiro nas eleições de 2022”. Zambelli é suspeita de pagar Delgatti para que ele invadisse o sistema do judiciário e hackeasse urnas eletrônicas. A parlamentar nega a acusação.

Delgatti, supostamente, também teria sido questionado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) se poderia invadir urnas eletrônicas. Os fatos ainda estão em investigação. A explicação para a convocação do hacker para a CPMI do 8 de Janeiro é saber se há como vincular a atuação da parlamentar e do ex-presidente à mobilização de pessoas que atacou a Praça dos Três Poderes em Brasília.

Os senadores e deputados também aprovaram a convocação de mais quatro pessoas:

  • O fotógrafo da agência de notícias Reuters Adriano Machado, que transitava tranquilamente entre os golpistas durante o ataque
  • a tenente-coronel da Polícia Militar (PM) Cíntia Queiroz de Castro, subsecretária de Operações Integradas da Secretaria de Segurança do Distrito Federal
  • a policial militar Marcela da Silva Morais Pinno, promovida por “atos de bravura” ao tentar impedir os ataques de 8 de janeiro
  • o sargento do exército Luís Marcos dos Reis, preso na operação que investigou a suposta fraude no cartão de vacinação do ex-presidente Jair Bolsonaro

LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:

(Da Redação do Fato Regional, com informações da Agência Brasil)