terça-feira, 21 de maio de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

Pará obtém título de ‘Zona Livre da Febre Aftosa sem Vacinação’ após 20 anos

A última campanha de vacinação contra febre aftosa será de 1 a 30 de abril e a comprovação da vacinação deve ser enviada à Adepará até 15 de maio. A vacinação final será fundamental para garantir o processo de descontinuação da vacina, algo que vai ampliar as possibilidades de mercado para a pecuária paraense.
Com o novo status sanitário, a pecuária paraense terá de manter a condição por um ano até o reconhecimento internacional para assegurar a abertura de novos mercados globais, mas já representa uma vitória para o setor produtivo (Foto: Adepará / Agência Pará)

Após 20 anos de trabalho, o Pará conquistou o status de “Zona Livre da Febre Aftosa Sem Vacinação”. A condição foi estabelecida na portaria nº 665/2024, do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), publicada no último dia 21. Para a pecuária paraense, que tem o 2º maior rebanho do Brasil — com 26 milhões de animais e tendo São Félix do Xingu como o maior rebanho nacional — é um marco que inicia o encerramento da vacinação obrigatória (atualmente com 98% de cobertura oficial) e a abertura de novos mercados. A última campanha de vacinação começa no dia 1º de abril.

A portaria entra em vigor a partir do dia 2 de maio, após a realização da última campanha de vacinação. O prazo para a última rodada de vacinação contra febre aftosa encerra no dia 30 de abril. Os produtores precisam ficar atentos ao novo calendário, pois não haverá prorrogação. O prazo para declarar a vacina é até o dia 15 de maio. O respeito e adesão a esse cronograma é fundamental para a descontinuação da vacina.

“É uma grande conquista alcançada pelo setor agropecuário. A Zona Livre de Aftosa Sem Vacina demonstra que o trabalho executado pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará) é extremamente eficaz. Além disso, os investimentos em reestruturação, capacitação técnica e desenvolvimento tecnológico amplificaram a atuação, aumentando, portanto a sensibilidade do serviço de defesa agropecuário no estado. Parabéns aos servidores e produtores rurais”, disse Jamir Macedo, Diretor Geral da Adepará.

A conquista do novo status sanitário possui recomendações especificas que são determinadas pela Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA). Além da antecipação da campanha final de vacinação, estão previstas vistoria e coleta de amostras de sangue de bovinos, para o estudo sorológico que constata a ausência da febre aftosa. Ao todo, 102 propriedades rurais localizadas em 55 municípios participarão do estudo. A expectativa é que devam ser colhidas amostras de sangue de 3.400 bovinos, com idades de até 24 meses.

A retirada da vacinação contra a febre aftosa já ocorreu em outros estados do Brasil e agora deve começar a ocorrer no Pará a partir de abril (Foto: Ascom Adepará / Agência Pará / Arquivo)

Após a etapa de vacinação, as vendas e aplicação de vacina contra febre aftosa estarão proibidas no Pará. A partir do dia 1° de maio, haverá restrição de entrada de animais vacinados, assim as fiscalizações nas revendas e do trânsito agropecuário serão intensificadas pela Adepará. O estado precisa ficar um ano sem vacinação e sem receber animais vacinados. Assim, o status internacional de zona livre da febre aftosa sem vacina será obtido.

“Até a portaria entrar em vigor, precisamos seguir os demais protocolos que é a última etapa de vacinação, de 1º a 30 de abril, declarações até o dia 15 de maio e a sorologia de estudos epidemiológicos, que já está acontecendo em algumas propriedades escolhidas. Tudo isso é um alcance de um sucesso de todo o trabalho que vem sendo desenvolvido pela Agência de Defesa por meio do Serviço Oficial Veterinário e também, do compromisso dos produtores que nos auxiliam e abraçam a causa, colaborando e se preocupando com a saúde do seu rebanho”, ressalta George Santos, gerente do programa estadual de erradicação da febre aftosa.

(Victor Furtado, da Redação do Fato Regional, com informações da Agência Pará)


LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:

Siga o Fato Regional no Facebook e no Instagram!