domingo, 14 de julho de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

Pará tem sexta maior população indígena com 80.974 pessoas; São Félix do Xingu, Ourilândia do Norte e Cumaru do Norte têm maiores concentrações no sul do estado

Cumaru do Norte e São Félix do Xingu são, respectivamente, as 7ª e 8ª maiores populações indígenas do Pará. O sul do Pará concentra quase 10% dos indígenas no estado.
O Pará tem mais de 80 mil indígenas e quase 10% estão concentrados na região sul do estado (Foto: Guilherme Gnipper / Funai)

O Pará é o sexto estado com maior população indígena do país, como aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São 80.974 pessoas, pelo levantamento do Censo 2022. Os recortes foram publicados nesta segunda-feira (7). Do total, quase 10% vivem na região sul do estado: 8.050.

Dos municípios do sul do Pará, Cumaru do Norte, São Félix do Xingu e Ourilândia do Norte, respectivamente, concentram as maiores populações da região. Mais precisamente, Cumaru do Norte e São Félix do Xingu estão entre as 10 maiores concentrações de indígenas do estado.

Ao todo, o país tem, como mostrou o Censo 2022, 1.693.535 indígenas e mais da metade deles vive na Amazônia. Grande parte (44,48%) está concentrada no Norte. São 753.357 indígenas vivendo na região. Em seguida, com o segundo maior número, está o Nordeste, com 528,8 mil, concentrando 31,22% do total do país. Juntas, as duas regiões respondem por 75,71% desse total.

Veja quantos indígenas há por município do sul do Pará:

  1. Cumaru do Norte: 2.487 (7º do Pará)
  2. São Félix do Xingu: 2.451 (8º do Pará)
  3. Ourilândia: 1.468
  4. Pau D’Arco: 406
  5. Redenção: 306
  6. Bannach: 216
  7. Água Azul do Norte: 176
  8. Santana do Araguaia: 145
  9. Santa Maria das Barreiras: 122
  10. Conceição do Araguaia: 107
  11. Xinguara: 56
  12. Tucumã: 39
  13. Rio Maria: 36
  14. Floresta do Araguaia: 30
  15. Sapucaia: 5

Total do Brasil: 1.693.535

Total do Pará: 80.974


LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:

(Victor Furtado, da Redação do Fato Regional)