sexta-feira, 12 de abril de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

Policiais do Pará e do Maranhão procuram por suspeito de feminicídio em Imperatriz; família oferece recompensa de R$ 2,5 mil

A vítima é Patrícia Almeida, ex-companheira de Daniel da Costa Silva, que saiu de casa para trabalhar e não voltou, tendo sido vista com ele no dia em que desapareceu
Daniel da Costa Silva está sendo procurado no Pará e no Maranhão por suspeita de feminicídio (Foto: Reprodução / Rdees Sociais)

Daniel da Costa Silva, de 39 anos, está sendo procurado por policiais do Pará e do Maranhão. Ele é o principal suspeito de matar a ex-companheira dele, a empregada doméstica Patrícia Almeida, na cidade de Imperatriz (MA). A vítima desapareceu no dia 4 de novembro e o corpo dela foi encontrado na segunda-feira (13). A família da mulher ofereceu uma recompensa de R$ 2,5 mil para quem der informações concretas e que levem à captura do suposto autor do feminicídio.

Patrícia foi morta com um tiro na cabeça e foi vista com o ex-companheiro, Daniel, no dia em que foi dada como desaparecida (Foto: Reprodução / Redes Sociais)

 

Patrícia saiu para trabalhar normalmente no dia 4 de novembro. Imagens de câmeras de segurança mostram que ela e Daniel se encontraram e estavam juntos antes de ela ser dada como desaparecida. No carro do suspeito, que não é localizado desde esse dia, foram identificadas manchas de sangue que estão sendo analisadas por peritos criminais. Quem a encontrou, numa fazenda na zona rural de Imperatriz, com uma marca de tiro na cabeça, foi um homem que colhia frutas e que acionou a polícia.

 

Caso a pessoa não ache correto pegar recompensa e prefira acionar a polícia de fato, as informações podem ser encaminhadas ao Disque-Denúncia (181). Se a informação for mais urgente, o ideal é ligar para o 190. A ligação é gratuita e pode ser feita de qualquer telefone. Também é possível mandar fotos, vídeos, áudios e localização para a atendente virtual Iara, pelo WhatsApp (91) 98115-9181. Não é necessário se identificar.

Houve uma suspeita de que Daniel havia sido preso no Pará nesta quinta-feira (16), mas as autoridades dos dois estados não confirmaram se tratar do suspeito.

(Da Redação do Fato Regional)


LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:

Siga o Fato Regional no Facebook e no Instagram!