sábado, 20 de julho de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

Adepará anuncia início da retirada da vacinação contra febre aftosa a partir de 2024

A última vacinação prevista é em abril de 2024. Em um fórum realizado nesta terça-feira (5), produtores, especialistas e o Governo do Pará discutiram os impactos positivos e responsabilidades após encerrar a vacinação no estado com o segundo maior rebanho bovino do Brasil
A retirada da vacinação contra a febre aftosa já ocorreu em outros estados do Brasil e agora deve começar a ocorrer no Pará a partir de abril (Foto: Ascom Adepará / Agência Pará / Arquivo)

O Pará tem o segundo maior rebanho bovino do Brasil, com 25 milhões de cabeças de gado, e é o maior exportador de boi vivo do país. E está prestes a tomar uma decisão importante: a retirada da vacinação contra a febre aftosa. Nesta terça-feira (5), a Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) promoveu um fórum para discutir os impactos, responsabilidades e benefícios de encerrar a imunização. A última vacinação está prevista para abril de 2024.

A proposta é que assim como Santa Catarina — estado com rebanho de 4 milhões de cabeças de gado —, o Pará receba do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) o status de zona livre da aftosa sem vacinação. Após a vacinação final em abril de 2024, será feito um estudo sorológico para garantir que esse primeiro passo seja dado. A Adepará, no entanto, não vai deixar de fiscalizar, mas vai contar com os produtores para notificação de casos suspeitos.

Um dos principais benefícios com a retirada da vacina é a abertura de novos mercados para a exportação de gado e subprodutos, como Japão, União Europeia e Canadá. Essas praças não só representam novos clientes; são mercados que, segundo a Adepará, tendem a remunerar melhor pelos produtos, o que vai gerar emprego e renda e impulsionar a economia.

“Esta é mais uma etapa que avançamos para a retirada da vacina, prevista para 2024, e a partir de então, o estado se tornará uma zona livre sem vacina. Isso irá reduzir os custos com a vacinação do produtor rural e também vai possibilitar a abertura de novos mercados que são mais exigentes, proporcionando a abertura de mais empregos, geração de renda para a produção pecuária local”, comentou o diretor geral da Adepará, Jamir Macedo.

(Victor Furtado, da Redação do Fato Regional, com informações da Agência Pará)


LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:

Siga o Fato Regional no Facebook e no Instagram!