sexta-feira, 24 de maio de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

Comissão do Senado aprova regras mais rigorosas para impedir celulares em presídios

O projeto de lei 2.905/2022 também prevê novos crimes e punições para quem utiliza celulares no sistema penitenciário e para quem facilitar a entrada dos aparelhos nas instituições penais. O texto agora segue para a Comissão de Constituição e Justiça antes de ser posto em votação no plenário.
O projeto de lei pode endurecer penas e dificultar a entrada de aparelhos celulares (Foto: Seap / Agência Pará / Imagem Ilustrativa)

A Comissão de Segurança Pública (CSP) do Senado aprovou um projeto de lei (PL) que cria regras mais rigorosas para impedir o uso de aparelhos celulares por presos. O PL 2.905/2022 obriga as operadoras a cooperar com o bloqueio de sinal nos presídios. E ainda estabelece a aplicação automática da suspensão do sigilo de comunicação, ou da restrição da comunicação, durante o cumprimento da pena quando um réu for condenado.

Outras propostas do PL 2.905/2022 são o cadastramento biométrico dos presos, a inutilização ou destruição dos aparelhos apreendidos e a imposição de revista com detectores de metais ou equipamentos de conferência por imagem a quem ingressar nas casas penais. O texto também obriga a União, os estados e o Distrito Federal a investirem em construções que viabilizem a revista invertida, isto é, da revista do preso antes e depois de receber visitas. O relatório aprovado é do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ).

Uma novidade seria considerar crime o ato de promover ou facilitar o uso de celular, internet, rádio ou similares por pessoas presas, mesmo que de forma eventual. A punição prevista é de 4 a 6 anos de reclusão, tipo de condenação mais severa, que permite prisão em regime fechado.

Diretores de casas penais e agente públicos que não impedirem o acesso de presos a aparelhos de comunicação também incorrem em crime, com penas de 2 a 4 anos de detenção. A mesma pena é prevista para outro crime a ser criado: preso que, em regime fechado, possuir, fornecer ou usar celulares e assemelhados sem autorização judicial.

Projeto de Lei traz penas mais rigorosas

Além de tipificar novos crimes, o projeto de lei 2.905/2022 aumenta as punições de crimes já existentes. Para quem facilitar a entrada de aparelho celular, rádio ou similar em penitenciária para uso indevido, a pena será de 4 a 6 anos de reclusão. Atualmente, é de 3 meses a 1 ano de detenção. O projeto ainda inclui na vedação a entrada de acessórios ou parte dos componentes de celulares para uso ilegal.

Outra mudança é a classificação do crime de milícia privada como crime hediondo. Esse crime também passa a ter pena de 6 a 12 anos de reclusão (hoje a lei prevê de 4 a 8 anos)

O texto também aumenta hipóteses de faltas disciplinares graves cometidas por presos. Caso o projeto vire lei, o recebimento, a posse ou o uso de qualquer acessório ou utensílio que permita a comunicação com outros presos ou com o ambiente externo será falta grave, assim como receber celular. Atualmente, apenas a posse, uso ou fornecimento de aparelho telefônico, rádio ou similar estão previstos na lista de faltas graves.

(Victor Furtado, da Redação do Fato Regional, com informações da Agência Senado)


LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:

Siga o Fato Regional no Facebook e no Instagram!