quarta-feira, 12 de junho de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

Rótulos de medicamentos terão mais informações no Brasil após determinação da Anvisa

As mudanças visam dar mais informações claras sobre o uso dos medicamentos deverão apresentar parte do nome do remédio com letras maiúsculas para evitar equívocos com nomes pareceidos
As mudanças, segundo a Anvisa, serão para dar mais informações ao consumidor e segurança a serviços de saúde para evitar equívocos (Foto: Agência Brasil / Arquivo / Imagem Ilustrativa)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou novas mudanças nos rótulos de medicamentos. A proposta é que determinadas informações sejam mais claras ainda nas embalagens. E assim, evitando o uso incorreto de remédios ou confusão com nomes semelhantes e funções diferentes.

Para consumidores comuns, os remédios isentos de prescrição médica, a classe terapêutica e a indicação ficarão visíveis na parte da frente da embalagem, para facilitar a visualização. O mesmo será feito para quantidade total de medicamento.

“Com intuito semelhante, foi permitida a colocação da quantidade total do medicamento na face frontal da embalagem, podendo auxiliar o cidadão na comparação de preço dos produtos, sem, no entanto, causar prejuízo para a compreensão das informações relacionadas ao uso seguro do medicamento”, informou a Anvisa, por nota.

Para medicamentos de uso em hospitais, clínicas, ambulatórios e demais serviços de saúde, os rótulos deverão apresentar parte do nome com letras maiúsculas. “A técnica de Tall Man Lettering (TML) é uma das ferramentas utilizadas para ajudar a minimizar os erros de medicações decorridos de troca acidental entre princípios ativos com fonética e/ou ortografia semelhantes”, explicou a Anvisa.

Em relação a remédios que são vendidos ao governo federal, serão retiradas as frases que utilizam os termos venda sob prescrição, sendo substituídas por “Uso sob prescrição” e “Uso sob prescrição e retenção de receita”.


LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:

(Da Redação do Fato Regional, com informações da Agência Brasil)