segunda-feira, 27 de maio de 2024

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

FALE COM FATO REGIONAL

Envie Notícias, Fotos e Sugestões

Pecuarista ‘Geraldinho’, apontado como um dos maiores desmatadores da APA Triunfo do Xingu, é preso em Goiás

Nos últimos cinco anos, como aponta a Polícia Civil, Geraldo Daniel de Oliveira, mais conhecido como 'Geraldinho', desmatou mais de 10 mil hectares da Área de Proteção Ambiental (APA) Triunfo do Xingu para a expansão da fazenda Ouro Verde, em São Félix do Xingu. Ele já havia sido preso em 2022 e descumpriu medidas cautelares que o concederam liberdade provisória.
Geraldinho já havia sido preso em 2022 e estava em liberdade provisória. Ele estava sendo procurado desde fevereiro (Foto: Agência Pará / Arquivo)

Geraldo Daniel de Oliveira, conhecido como “Geraldinho”, foi preso na operação “Refloresta Xingu” nesta quarta-feira (3). Ele é apontado por órgãos ambientais do Pará como um dos maiores desmatadores de florestas do estado. Ele é proprietário da fazenda Ouro Verde, em São Félix do Xingu. Os crimes ambientais pelos quais é investigado, que o levaram à prisão em 2022, seriam para a expansão da fazenda para dentro da Área de Proteção Ambiental (APA) Triunfo do Xingu. O pecuarista foi preso em Goiás.

O desmatamento ilegal estaria sendo promovido dentro da APA Triunfo do Xingu para ampliação da área da fazenda Ouro Verde, de Geraldinho, em São Félix do Xingu (Foto: Divulgação / Agência Pará)

A operação “Refloresta Xingu” é uma ação da Polícia Civil do Pará, com cooperação da Polícia Civil de Goiás. É um desdobramento da operação “Curupira”, uma das principais frentes de combate ao desmatamento ilegal no estado. Geraldinho já havia sido preso em 2022, durante a operação “Outsiders”. Ele estava em liberdade provisória. Um novo mandado de prisão preventiva foi expedido pelo Poder Judiciário contra o pecuarista por descumprimento de medidas cautelares. Ele vinha sendo procurado desde fevereiro, numa operação que interrompeu o desmatamento na APA Triunfo do Xingu.

O delegado-geral da PCPA, Walter Resende, explica que as investigações foram intensificadas a partir de informações da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas). “Apontaram para a prática continuada de crimes ambientais, incluindo dano à Unidade de Conservação, incêndio em floresta, impedimento à regeneração florestal, falsidade ideológica, e associação criminosa com foco em atividades ilegais contra o meio ambiente”, ressaltou Resende.

“Estão sendo cumpridos mandados de prisões, buscas e apreensões em várias localidades do Pará e Goiás, para que dar suporte à operação ‘Curupira’, que tem uma função de fiscalização e comando e controle nessas áreas. Paralelo às ações em campo, nós temos uma força-tarefa dentro da Polícia Civil que investiga a fundo os casos que são encontrados pela equipe de campo da operação Curupira. Isso é um trabalho integrado de fiscalização e investigação para que nós possamos chegar aos verdadeiros autores dos crimes ambientais no Pará”, afirmou Ualame Machado, titular da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup).

Desde 2019, “Geraldinho”, como apontam as investigações, teria desmatado mais de 10 mil hectares da floresta amazônica, configurando-se como um dos principais agentes de desmatamento no Estado do Pará. “O pecuarista atuava diretamente na criminalidade ambiental na APA Triunfo do Xingu. Sua prisão representa o combate incessante da Polícia Civil no que diz respeito à criminalidade ambiental, demonstrando que a Polícia Judiciária permanecerá atuante nas investigações que tratam sobre a temática”, ressaltou o delegado Acácio Neto, titular da Força-Tarefa Amazônia Segura.

A APA Triunfo do Xingu tem 10 mil hectares de extensão que serão objeto de um edital para recuperação vegetal, algo que seria prejudicado caso o desmatamento identificado seguisse (Foto: Divulgação / Agência Pará)

O Fato Regional respeita o princípio da presunção de inocência e sempre abre espaço para a defesa dos mencionados em casos policiais — se os advogados ou envolvidos acharem conveniente quaisquer manifestações —, garantindo amplo direito ao contraditório.

(Victor Furtado, da Redação do Fato Regional, com informações da Polícia Civil do Pará)


LEIA MAIS, NO FATO REGIONAL:

Siga o Fato Regional no Facebook e no Instagram!